Headhunters || Jo Nesbø || editora Record 

Resenhas Thriller

Headhunters || Jo Nesbø || editora Record 

Headhunters, Jo Nesbø  Editora Record. Outro dia eu falei aqui das histórias classificadas de noir nórdico e disse que Jo Nesbø é um dos autores mais conhecidos por aqui. 

Dele eu só li a Faca, que faz parte de uma série bem grande, protagonizada pelo inspetor Harry Hole, e que está dentro desse gênero. 

No Noir nórdico ou escandinavo, acho que a principal característica é ambientação: frio, neve e outono com tom sombrio. A história é protagonizada por um policial, com inúmeros problemas pessoais, mas que mesmo assim consegue resolver o crime. 

Vocês já leram algum livro de Jo Nesbø? 

A  Editora Record me enviou Headhunters, um thriller, e estou ansiosa para ler, pois a sinopse é muito instigante. 

Sinopse:

Roger Brown é o melhor headhunter da Noruega. As maiores empresas do país contam com seu faro na hora de escolher os executivos que ocuparão os cargos de liderança. Roger é casado com uma mulher deslumbrante, dona de uma badalada galeria de arte, e mora em uma mansão construída por um renomado arquiteto. Ele tem a vida perfeita, mas é cada vez mais difícil pagar por ela. E Roger só consegue pagá-la roubando obras de arte e vendendo-nos para o mercado paralelo.

Até que surge em seu caminho Clas Greve, um executivo holandês de alto gabarito. Greve é um duplo achado: o candidato perfeito para um cargo altíssimo que, além disso, possui um quadro do pintor flamengo Rubens que se acreditava estar perdido desde a Segunda Guerra Mundial. Se conseguir colocar as mãos em sua presa, Roger finalmente poderá dar fim a seu papel no mercado paralelo da arte e assumir por completo a vida perfeita que sempre sonhou. Mas há outro caçador nesse jogo, e os riscos que Roger corre podem levá-lo para um terrível pesadelo.

About the author
Literamaníaca, seriemaníaca. Mãe de dois Dragões. Em metamorfose. Rezo para os deuses novos e antigos. Minhas jornadas são nas estrelas. A força está comigo. Não sei se tudo isso é verdade, só sei que foi assim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *