A Ascensão da Rainha || Rebecca Ross

Resenhas

A Ascensão da Rainha || Rebecca Ross

A Ascensão da Rainha, Rebecca Ross, Editora Galera Record, tem uma proposta que  chamou minha atenção de cara: Um reino, uma sociedade governada por uma mulher, uma rainha; Uma mulher a principal articuladora para derrubar um rei cruel, ilegítimo e restituir o reinado à rainha legítima. 

Eu acho interessante a discussão sobre  sociedade matriarcal, na qual o papel de liderança e poder é exercido pela mulher. Em A Ascensão da Rainha é tímida essa discussão. Eu queria mais, porque isso seria o grande diferencial em relação a outras fantasias com essa mesma para o público jovem. 

A personagem principal é Brienna, uma jovem que perdeu a mãe cedo e ficou aos cuidados do avô materno. Sobre o pai ela sabe pouco, pois o avô não quer falar o nome dele. Brienna sabe que é ilegítima e que o pai é maevano. 

Brienna vive no reino de Valenia e estuda numa prestigiada escola, a Casa Magnalia, onde deverá se formar numa Paixão. A Paixão é um tipo de graduação para jovens ricos de Valenia. Eles estudam por sete anos um único tipo de talento: música, artes visuais, histórias/conhecimento… 

Brienna é uma aluna esforçada, mas não tem dom natural. Durante os anos ela foi pulando de paixão em paixão até se encontrar na paixão do conhecimento, com o Mestre Cartier. 

Ela  só teve três anos para estudar, o que não foi suficiente para receber o manto de formatura no dia do solstício. As outras estudantes vão embora com seus patronos e Brienna fica para estudar mais um pouco. 

A partir desse ponto há uma reviravolta e logo Brienna está envolvida numa grande conspiração para destronar o rei ilegítimo de Maevana. 

Valenia e Maevana são reinos próximos. Valenia tem uma sociedade mais evoluída em termos de estudo e paz. Já em Maevana há muita violência. O rei é cruel. 

Mas nem sempre foi assim. Houve um tempo em que Maevana era governada por rainhas , da casa Kavanagh, única casa em que há magia no sangue dos seus membros, sendo mais forte nas mulheres. 

A base da sociedade maevana é toda governada por homens. São quatorze casas e os homens detêm o poder das terras, então não é uma sociedade matriarcal. 

A Ascensão da Rainha foi uma leitura rápida. Tem um romance, mas não é o foco. Tem pontos interessantes e outros fracos. Por exemplo, para mim, a parte que fala das paixões poderia ter sido resumida. Parecia que as paixões eram o grande foco da narrativa, mas não é bem assim. A gente não sabe como a classe pobre vive. A revolução é do ponto de vista dos nobres. 

Um ponto interessante, as mulheres de Maevana são treinadas para lutar, usam calças, pelo menos as filhas dos nobres. Já as mulheres de Valenia estudam e têm todo um comportamento a seguir. 

A Ascensão da Rainha é uma duologia. Vou ler o segundo livro, pois quero saber o que Brienna vai fazer em Maevana ao unir luta e estudo. 



About the author
Literamaníaca, seriemaníaca. Mãe de dois Dragões. Em metamorfose. Rezo para os deuses novos e antigos. Minhas jornadas são nas estrelas. A força está comigo. Não sei se tudo isso é verdade, só sei que foi assim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *