A quinta estação || N. K. Jemisin

Ficção Científica Resenhas

A quinta estação || N. K. Jemisin

A quinta estação, N. K. Jemisin, Editora Morro Branco, que faz parte da trilogia Terra partida, é uma obra sensacional! São tantos pontos interessantes, como: estrutura narrativa, os personagens, a forma como é abordado a diversidade. ⁣

Quando a gente se depara com uma obra assim fica até difícil falar sobre. Meu medo é de não conseguir mostrar o quanto ela é especial. Eu quero tanto que mais pessoas leiam. Imagino que a trilogia toda seja maravilhosa.⁣

Em A quinta estação há pessoas que nascem essencialmente ligadas ao planeta Terra. Elas são capazes de causar um terremoto em escala de alta destruição, bem como são capazes de acalma-los. Essas pessoas são chamadas de orogenes. Ou na forma pejorativa rogga. ⁣

São chamadas de quietos as pessoas que não nascem com esse poder. Os quietos são preconceituosos e, por isso, eliminam os orogenes quando eles ainda são crianças. Criminosos, mesmo. ⁣

Os orogenes que conseguem sobreviver vão para um tipo de escola, onde aprendem a controlar/desenvolver o poder e, assim, passam a servir aos quietos, controlando os abalos sísmicos. Essa escola é uma forma de controle. Eles não são livres. Estão sob o comando dos guardiões. ⁣

Os guardiões tem total controle. Ficamos sabendo bem poucos sobre eles. ⁣

Nesse mundo instável, onde há estações climáticas extremamente rigorosas, onde há “morte” e renovação da terra, acompanhamos três mulheres orogenes: uma criança, uma jovem adulta e uma mãe, mais velha. Eu fiquei na expectativa para descobrir a ligação entre os três pontos de vista. E é sensacional.⁣

É interessante perceber o mundo criado pela N. K. Jemisin tem relação com o nosso. Há vestígios de civilizações passadas e uma delas poderia muito bem ser a nossa. ⁣

Não posso deixar de mencionar o quão é maravilhosa a forma como são trabalhados os personagens negros e lgbtqi+⁣

Não vejo a hora de iniciar o segundo da trilogia. ⁣

About the author
Literamaníaca, seriemaníaca. Mãe de dois Dragões. Em metamorfose. Rezo para os deuses novos e antigos. Minhas jornadas são nas estrelas. A força está comigo. Não sei se tudo isso é verdade, só sei que foi assim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *