Os sete maridos de Evelyn Hugo | Taylor Jenkins Reid

por Nilda de Souza

| Os sete maridos de Evelyn Hugo aborda temas importantes, mas eu gostaria de ter visto muito mais. Temas como assédio sexual, violência doméstica, homofobia, racismo acabam diluídos numa trama fraca, focando muito mais no deslumbre da fama e objetificação do corpo feminino. 

Evelyn Hugo é uma famosa atriz de Hollywood dos anos 60. A vida de Evelyn sempre foi envolta em polêmicas por causa dos seus sete casamentos. 

Ela atuou em vários filmes de sucesso, ganhou prêmios, um Oscar, inclusive. Agora, a consagrada atriz vive em seu apartamento em Upper East Side, Nova York, mas o que ainda desperta a curiosidade do público são os vários casamentos.

Antes de eu falar dos aspectos que eu não gostei em Os sete casamentos de Evelyn Hugo quero destacar um ponto que eu achei tocante, que foi a amizade de toda uma vida de Evelyn com o produtor Harry Cameron, marido por duas vezes e pai da filha dela. 

O amor de amizade dos dois é algo que todos nós merecemos encontrar. Eles eram almas gêmeas e não tinha a ver com sexo. 

O motivo de eu não ter gostado tanto desse livro eu já deixei claro no primeiro parágrafo, mas vou explicita ainda mais. Evelyn Hugo ambicionava se torna celebridade e fez de tudo para isso acontecer. Sem escrúpulos, mesmo. É uma personagem que não se arrepender de nada. Para mim, ela deixa o leitor pensar que vale a pena fazer tudo para conseguir o se quer, não importando o preço. 

Essa forma de ver o mundo é polêmica, no mínimo, pois muitas jovens que sonham em ser atriz continuam passando pelos mesmo tipos de abusos que Evelyn passou. E não há uma reflexão sobre o que o tal teste do sofá por fazer com o psicólogo de uma pessoa. Vale a pena o teste do sofá? E em qualquer profissão? 

O momento #Metoo aborda essa questão de Hollywood. Inclusive tem o livro Ela disse.

As mulheres não podem mais sofrer abusos sexuais e, se sofrerem, que seus agressores sejam punidos. Não sei dizer até que ponto esse livro foi inspirado no movimento. Mas parece há influência.

Outro ponto que poderia ter sido trabalho de uma forma diferente é a questão lgbtq+. Para mim, teria sido grandioso e significativo se Evelyn tivesse, ao final, se mostrado, em vida. É importante que nesse momento pessoas famosas, que têm voz, mas que viveram escondidas, possam vir a público e dizer eu estou aqui, eu mereço respeito, eu mereço os mesmos espaços, eu mereço ser feliz. 

Evelyn Hugo precisou renegar suas origens, baseou sua carreira na beleza do seu corpo, se esconder por toda a vida, mentiu, foi abusada e no final só falou porque todos já estavam mortos. Nós, mulheres e todas as minorias, não merecem isso.

Você já leu Os sete maridos de Evelyn Hugo? Conta para mim.

 

Veja também

Deixe um comentário