Riacho do Jerimum | Jadna Alana

por Nilda de Souza

Riacho do Jerimum é uma fantasia ambientada no Nordeste, e traz seres fantásticos, como elfos e fadas, e personagens do folclore brasileiro, Saci, Caipora, Piatã. Fiquei surpresa positivamente com essa leitura, tanto por causa da temática abordada como pela construção dos personagens, que são inspiradores. 

O mundo criado em Riacho do Jerimum fica no interior da Paraíba, um vilarejo chamado Riacho do Jerimum. Lá vive em rapaz chamado Caíque, que não se encaixa naquela pequena comunidade. Caíque é reservado, um tanto mal-humorado, e não consegue entender o porquê da mãe sempre o afastar, mesmo quando ele faz tudo para agradá-la. Mas há duas pessoas especiais em sua vida: a irmãzinha e Seu Vicente.

Caíque adora ouvir as histórias que Seu Vicente conta. O idoso fala de lendas antigas, de guerras passadas entre as deusas da seca e da chuva, Tifana e Amanici, respectivamente.

Nas margens do riacho do Jerimum vivem seres encantados. É um mundo ao lado do nosso, mas que os humanos nem imaginam que exista. Esses seres vivem em casas feitas de jerimuns. Eles são os protetores da natureza. O equilíbrio do mundo humano depende do equilíbrio do mundo mágico.

Uma fantasia nacional com elementos do folclore brasileiro

A líder dos seres calahyna se chama Aurora, uma pequena fada que pode ficar com a aparência e tamanho de um humano. No mundo dos seres mágicos da floresta uma guerra se aproxima. Tifana, a deusa da seca, vem preparando seu exército do mal. Ela quer governar para sempre a terra. Já houve uma primeira grande a guerra, na qual Coaraci, o deus criador, precisou intervir.

 Aurora precisa de toda ajuda para enfrentar Tifana. Ela precisa da ajuda do humano Caíque e também de todos os seres mágicos da floresta. Mas será que Caíque vai ajudar Aurora?

Em Riacho do Jerimum há uma explicação para a seca nordestina. Há duas deusas, a deusa da chuva, a outra da seca. As duas deusas são inimigas. Na primeira guerra as duas entraram em acordo, cada uma governa por um período. Eu adorei essa forma de representação das características ambientais nordestina. Também amei a ideia dos jerimuns usados como casa. Tão representativo do nordeste, além disso ainda tem relação com a abóbora do conto de fada.

Riacho do Jerimum traz personagens inspiradores

Aurora e Diana são exemplos de mulheres independentes. Aurora se mostra uma pessoa sensível e forte, quebrando o  estereótipo que para ser forte a mulher tem que ser masculinizada. Diana é a melhor amiga de Aurora. Ela é acolhedora, bem-humorada, corajosa. Eu queria Diana como amiga.

Vamos falar de Caíque. Ele é um personagem em conflito. E há bons motivos para isso. Ele não conhece o pai. Não tem uma boa relação com a mãe. Ele é a pessoa que não se encaixa. Ele precisa se encontrar. Ainda tem Seu Vicente, um personagem encantador por sua sabedoria. Ele é o avô que todos merecemos.

Por fim, quero falar o quanto é maravilhoso ver nosso do folclore, tão rico, sendo trabalhado em obras de fantasia nacional, mesmo que seja ao lado de mitos e lendas europeias. Também gostei muito da escolha do vocabulário fazendo a ponte com o nordeste. Ah, e devo ressaltar que é livro único. Viva! Chega de trilogias e séries gigantes quando um único livro é o suficiente.

Veja também

5 comentários

Larissa Dutra novembro 14, 2019 - 11:33 pm

Olá, tudo bem? Não conhecia esse livro ainda. Primeiramente, que capa mais linda! Eu adorei conhecer a obra, principalmente por saber que trata do Nordeste e trabalha nosso folclore. Muito bacana!

Beijos,
Duas Livreiras

Reply
Lucy novembro 15, 2019 - 6:58 pm

Oi, Nilda! Acho o máximo quando nosso folclore tem destaque em histórias nacionais. Parece uma história fantástica, gostei muito da sua resenha e vou procurar por esse livro, ainda mais por ser livro único. Gosto de livro único, mas até curto uma boa trilogia quando se tem o que contar. rsrs
Bjos
Lucy – Por essas páginas

Reply
Maria Luíza Lelis novembro 15, 2019 - 10:31 pm

Oi, tudo bem?
Eu não conhecia esse livro ainda, mas preciso dizer que estou encantada por essa capa. Além disso, achei incrível o fato do nordeste e do folclore brasileiros estarem em evidência nessa trama. Achei a premissa bem diferente e fico feliz que tenha gostado da leitura. E, apesar de amar uma boa trilogia/série, achei bacana ser livro único.
Beijos!

Reply
Joanice novembro 18, 2019 - 11:14 am

Olá, minha linda

É bem difícil achar fantasias ambientadas em nosso país e só sendo na Paraíba já me ganhou 100% e acrescenta que tem elementos típicos do nosso riquíssimo folclore nacional, como o meu adoro Saci e a Mula sem cabeça.
Raridade se encontrar livros desse gênero em um único volume, porque parece alguma regra imaginária de ter mais de 3 volumes.
Beijos

Reply
Marijleite novembro 21, 2019 - 5:13 pm

Eu amo livros que tragam nosso folclore em suas histórias e fiquei encantada em conhecer esse pelo seu post, já vou correndo colocar na minha lista de desejados pois fiquei super interessada em ler!

Reply

Deixe um comentário