A Guerra dos mundos | H. G. Wells

por Nilda de Souza

A Guerra dos mundos foi uma leitura surpreendente. Pela época da publicação, 1898, eu jurava que ia encontrar um linguagem truncada, mas não foi nada disso. H. G. Wells nos presenteia com uma descrição primorosa dos marcianos, que serve de referência até hoje para narrativas, e da ambientação, dimensionando a violência da invasão. 

A Guerra dos mundos é sobre invasão alienígena. Você pode pensar: já vi isso muitas vezes no cinema, em livros. Você precisa saber que essa aqui foi uma das primeiras. É um clássico do gênero. 

Num dia tranquilo, no interior da Inglaterra, em Horsell Common, caiu o primeiro dos dez objetos não identificável, trazendo as criaturas monstruosas e sem piedade, vindo do planeta Marte. Os habitantes ficaram fascinados, no primeiro momento. Virou ponto turístico. As autoridades queriam fazer contato. 

Ninguém naquele momento conseguiu prever o que aqueles cilindros metálico, disparados do planeta Marte, continham e quão perigoso. Acontece que esses marcianos não eram nada amigáveis. 

A Guerra dos mundos traz um narrador personagem, testemunha ocular dos acontecimentos. Ele é uma das primeira pessoas a visitar o local da aterrizagem do cilíndrico. E também é uma das primeira pessoas a dimensionar o quanto aquilo era perigoso. É um personagem interessante, porque, de certa forma, mantém a calma em meio ao caos. Ele se mantem lúcido até mesmo quando fica preso por dias, nos escombros de uma casa, com um padre.

O personagem padre vale uma análise. Na hora que o padre apareceu, com a fé abalada e foi ficando histérico, lembrei logo do padre Gabriel de The Walking Dead. Para quem assiste TWD sabe que o padre Gabriel é um saco. O padre aqui não é diferente. Foi aí que me dei conta que, assim como os marcianos de Well têm servido de referência em obras do gênero, o padre também sido recorrente em em cenários apocalipse. 

Essa não é uma história frenéticae isso pode desagradar leitores que gostam de ação constante. O terror vem pela impossibilidade de se combater o inimigo, marcianos de aspectos horríveis em máquinas trípodes. As tecnologias terráqueas não se comparam as tecnologias marcianas.  As massas fugindo, sem nenhum sentimento de cooperação, solidariedade. Cada um por si. O final foi algo que eu não consegui imaginar. Achei plausível, cientificamente. Mas também fiquei pensando se criaturas tão evoluídas não teriam previsto aquele fim. 

Pesquisando sobre a obra, vi que uma leitura possível é que A guerra dos mundos é uma alegoria relacionada ao imperialismo britânico, pessimista. Pois não podemos esquecer de que a Inglaterra usou de sua superioridade tecnológica para subjugar outros países. 

Bom, como em breve teremos mais uma adaptação, a BBC está produzindo uma minissérie, resolvi trazer uma lista de obras inspiradas em A guerra dos mundos, para a gente ter uma dimensão da importância desse livro.

Adaptação radiofônica

THE WAR OF THE WORLDS
Diretor: WELLES, ORSON
Ano de produção: 1938
País de Produção: Estados Unidos

Versões cinematográficas

GUERRA DOS MUNDOS (WAR OF THE WORLDS)
Diretor: BYRON HASKIN
Ano de produção: 1953
País de Produção: Estados Unidos

A GUERRA DOS MUNDOS (WAR OF THE WORLDS)
Diretor: STEVEN SPIELBERG
Ano de produção: 2005
País de Produção: Estados Unidos

Adaptações do conceito original, como referências diretas ou citações à obra de Wells

INVASORES DE MARTE (INVADERS FROM MARS)
Diretor: JIMMY HUNT
Ano de produção: 1953
País de Produção: Estados Unidos

A INVASÃO DOS DISCOS VOADORES (EARTH VS THE FLYING SAUCERS)
Diretor: FRED F. SEARS
Ano de produção: 1956
País de Produção: Estados Unidos

INVASORES DE MARTE (INVADERS FROM MARS)
Diretor: TOBE HOPER
Ano de produção: 1986
País de Produção: Estados Unidos

INDEPENDENCE DAY
Diretor: ROLAND EMMERICH
Distribuidora: FOX – MICROSERVICE
Ano de produção: 1996
País de Produção: Estados Unidos

MARTE ATACA! (MARS ATTACKS!)
Diretor: TIM BURTON
Ano de produção: 1998
País de Produção: Estados Unidos

SINAIS (SIGNS)
Diretor: M. NIGHT SHYAMALAN
Distribuidora: BUENA VISTA SONOPRES
Ano de produção: 2002
País de Produção: Estados Unidos

Versão musical da obra

WAR OF THE WORLDS MUSICAL VERSION
Diretor: JEFF WAYNE
Ano de produção: 1978

Seriados para televisão que exploraram o conceito apresentado por Wells

OS INVASORES (THE INVADERS)
Criador: LARRY COHEN
Ano de produção: 1967-1968
País de Produção: Estados Unidos
Duração: 43 episódios

PROJETO LIVRO AZUL (PROJECT U.F.O.)
Criador: JACK WEBB
Ano de produção: 1978-1979
País de Produção: Estados Unidos
Duração: 26 episódios

A GUERRA DOS MUNDOS (THE WAR OF THE WORLDS)
Criador: GREG STRANGIS
Ano de produção: 1988-1990
País de Produção: Estados Unidos
Duração: 43 episódios

Veja também

6 comentários

Lana Silva novembro 8, 2019 - 10:26 am

Eu já estive com esse livro mãos, e me lembro que a edição era lindíssima e de capa dura. Porém a história não me despertava interesse pela leitura e eu resolvi trocar com alguém que o desejada. A premissa e a linguagem são bem atuais para época de publicação da obra, e mesmo que a trama não seja muito eletrizante para quem curti o gênero, acredito eu que vão querer dar uma chance.

Reply
Vanessa Vieira novembro 8, 2019 - 8:35 pm

Olá Nilda! Deve ser emocionante estar diante de uma obra que deu origem a tantas outras! Sempre pensei que fosse mais pesada do que mencionou. Agora com suas considerações fiquei entusiasmada para uma possível leitura! =)

Seu post como sempre está muito completo. As lista sobre as adaptações são bastante informativas! Amei!

Um abraço!

Reply
CRIS novembro 9, 2019 - 9:11 am

Oi Nilda!
Assisti um filme intitulado Guerra dos Mundos que o personagem principal era o Tom Cruise, e adorei sua performance, bom aquele homem é lindo kkk. mas acho que não conseguiria ler, pois no filme já é meio parado, e quando você comentou que não tem muita ação lembrei muito desse filme. Parabéns pela resenha vou deixar sua dica de leitura anotada. Bjs!

Reply
Gleydson novembro 10, 2019 - 12:04 pm

Olá, tudo bem por aí?
Olha, apesar de adorar esse tema (aliens etc.), confesso que quase não consumo literatura sobre o assunto. Sendo assim, já anotei aqui essa dica, porque um clássico como esse é, sem dúvidas, uma ótima maneira de adentrar nesse mundo. Parabéns pela resenha, ficou maravilhosa.
Abração!
http://www.acampamentodaleitura.com

Reply
Tânia Bueno novembro 11, 2019 - 8:57 pm

Caramba, esse é um livro que preciso ler e meu marido vive falando para eu ler. Incrível como uma obra de 1898 ainda é tão famosa em nossos dias e a percussora de obras que vieram depois, vou investir neste livro.

Bjo
Tânia Bueno

Reply
PS Amo Leitura novembro 12, 2019 - 6:50 am

Uau, eu adorei seu post, pois confesso que não sabia absolutamente de nada citado aqui.É realmente um clássico e saber que ele inspirou diversas outras obras, é incrível. Fiquei realmente curiosa!

Beijos,

Reply

Deixe um comentário