Resenha | Androides sonham com orvalhas elétricas? | Philip K. Dick

por Nilda de Souza

Eu preciso confessar: ainda não tinha lido Androides Sonham com Ovelhas Elétricas?, clássico da ficção científica, que eu deveria ter lia a mais tempo. Minha edição  é essa lindeza das fotos, com capa dura e jacket, edição comemorativa de 50 anos da Editora Alepha (merece um post à parte).

Em Androides Sonham com Ovelhas Elétricas? a história se passa num mundo pós-apocalíptico. A terra como conhecemos não existe mais. Depois da guerra nuclear, restou um cenário desértico, estéreo, com uma constante poeira radioativa. Poucas pessoas ainda vivem por aqui. A maioria migrou para colônias em Marte.  Aquelas ficaram, convivem com o perigo  das mutações genética.

A terra ficou tão estéreo que todos os animais foram praticamente extintos. Os que restaram são criados em cativeiro e vendidos a preço de ouro. Ter um animal orgânico de estimação  confere um certo status. Quem não pode ter um, acaba adquirindo uma imitação quase perfeita robô.

 

A obra traz dois arcos narrativos que se alternam ao longo da narrativa. No arco principal, temos Rick Deckard e, no outro, John Isidore. Há também os personagens secundários, com suas subtramas, ligando os dois arcos.

Rick é um caçador de recompensa, trabalha para o departamento de polícia de São Francisco, eliminando (aposentando) androides fugitivos de Marte. Ele é casado com Iran, uma mulher depressiva.

A esposa vivi conectada a uma espécie de aparelho eletrônico, chamado de caixa de empatia, o mercerismo, um tipo de religião que se pratica se ligando a uma máquina. Os dois levam uma vida modesta e como os outros seres humanos que ficaram na terra, eles têm um animal, uma ovelha. O problema é que ela é elétrica e Rick sonha com em possuir um animal de verdade, orgânico.

 

“você sabe o que as pessoas pensam a respeito de quem não cuida de um animal; acham isso imoral e antiempático”

O sonho de comprar uma ovelha verdadeira está próximo. Rick recebe uma missão de aposentar vários androides. O problema é que eles, os tipos Nexus-6, extremamente inteligentes, superando a inteligência de muitos humanos.

Androides Sonham com Ovelhas Elétricas? faz o leitor refletir sobre vários aspectos da vida, da sociedade, desde as questões mais evidentes da trama – a relação frustrante entre tecnologia e progresso, passando por questões religiosas, existenciais e éticas.

O primeiro ponto que me chamou atenção foi tensão é entre humanos e máquinas. O que nos torna humanos? Essa é, com certeza, a grande pergunta da narrativa. A empatia é o sentimento que gera toda a discussão sobre ser ou não humano.

Na primeira cena do casal, Rick e Iran, o leitor já tem um vislumbre do ambiente futurista, mas completamente melancólico. Tudo é mediado por tecnologia, mas as relações humanas estão desgastadas. Rick tem mais ligação com uma androide do que com a própria mulher. Aqui entra uma questão muito interessante: um humano tendo relações sexuais com uma androide, que gera toda uma questão ética.

Até mesmo a religião, o mercerismo, é praticada por meio da tecnologia. O que é muito irônico. É preciso eliminar os andes, porém o deus, Wilbur Mercer, é uma espécie de “realidade virtual”.

Por fim, quero falar do arco narrativo de John Isidore, personagem descrito como um cabeça de galinha. Isidore não pôde migrar para Marte porque não passou no teste de inteligente do governo. Ele vive numa área completamente desabitada, trabalha numa clinica de animais. Ele faz amizade com Pris Stratton, uma das androides rebeladas que Deckard precisa “aposentar”. Novamente a ironia: Isidore é o personagem mais empático da narrativa.

Androides Sonham com Ovelhas Elétricas? foi uma ótima leitura. É um livro relativamente pequeno, com linguagem bem limpa, sem termos complicados. Se você gosta de ler críticas sobre às possibilidades catastróficas da forma com que o avanço tecnocientífico vem sendo colocado em prática, então esse livro é para você.

Agora é o último ponto mesmo. Que edição é maravilhosa! Capa dura, jacket linda. Ilustrações divinas. Vários conteúdos extras. Merece um posta somente para falar da edição.

Veja também

Deixe um comentário