Resenha || The 100 – Os escolhidos | Kass Morgan

por Nilda de Souza

Li The 100: os escolhidos, de Kass Morgan, Galera Record. Livro que inspirou a série de mesmo nome. E foi por causa da série que fiquei curiosa para ler o livro.

Comecei assistir a série sem grandes expectativas, buscando apenas entretenimento. Como ela foi lançada na época das vacas magras das séries (Mid-Season), que normalmente não há estreias de qualidade e, ainda mais por ser uma série para o público jovem, pensei que nada nela poderia me agradar. Engano meu.

Para minha alegria, vários pontos de The 100: os escolhidos me agradaram, principalmente a forma como foi tratada as questões políticas e sociais. E ainda tem a questão da sobrevivência que é muito interessante. Ela lembra Lost Battlestar Galactica. Eu disse lembra.

The 100: os escolhidos conta a história de cem jovens detentos que foram enviados à terra, que estava desabitada por muitos anos, devido a uma guerra nuclear. Esses cem jovens são as cobaias que têm a missão de verificar se já é possível viver novamente no planeta Terra.

Desde a guerra nuclear a humanidade vive em espaçonaves. A necessidade de voltar à terra se deve ao fato de que a população está crescendo e os recursos se esgotando. Ao enviar os 100 delinquentes juvenis à terra, os governantes estão se livrando de gastos inúteis e, ao mesmo tempo, buscando uma solução para a sobrevivência da humanidade.

Sobre o livro: Distopia não tão distópica assim.

Também li sem expectativas, pois já sabia que se tratava de um livro, como posso denominar, comercial, como muitos que estão na lista dos mais vendidos.

O livro tem vários pontos que podem ser questionados e que irei apontar alguns, mas primeiro vamos elencar os pontos fortes.

Ah, devo ressaltar que é um livro introdutório, então vamos aguardar o próximo volume.

Cada capítulo tem um dos quatro personagens principais como foco, que vai se alternando a narrativa entre quatros. E os capítulos levam os nomes desses personagens. É muito interessante essa estrutura, pois podemos acompanhar a história do ponto de visto de Clarke, Wells, Bellamy e Glass.

A autora também faz uso do flashback (recurso próprio de filmes e séries), por meio de tipografia diferente,  que nos ajuda entender os acontecimentos presentes. As questões políticas e sociais não são aprofundadas, mas elas estão lá. A sociedade continua sendo baseada na descriminação e na desigualdade.

Na Colônia, como é chamada a estação espacial, as  naves externas, Walden e Arcadia, não têm os mesmos privilégios que existe em Phoenix. Os phoenienses, por exemplo, podem escolher suas profissões. Já os waldenitas, se tiverem bom histórico, podem, no máximo, trabalharem como guardas. A maioria executa os mesmos trabalhos de seus pais.

A narrativa The 100 toca em um ponto importante: viver no espaço não redime o homem. A humanidade, mesmo quase extinta, não encontra o caminho harmônico consigo próprio.

Os pontos fracos

A autora tinha tudo para desenvolver mais as questões importantes, como, por exemplo, a luta pela sobrevivência, tanto dos que ficaram na estação espacial quantos dos que foram enviados à terra. Mas Morgan prefere se fixar  no romance entre os jovens, nos sentimentos do personagens.

Os cem chegam à terra e ficam no mesmo local em que a nave caiu (a aterrissagem não foi tranquila). Não há neles curiosidade para explorar a vasta imensidão da terra. Como isso é possível?  E olha que Clarke, Wells imaginavam juntos como seria a terra.

Os cem já estavam desnutridos, pois os suplementos alimentares já estavam acabando,  se não fosse Bellamy se dispor a caçar. Ele foi o único que teve a ideia de caçar.  Ninguém pensou em pescar,  em buscar frutas silvestres.

Próximo ao local da queda da nave havia um riacho, onde eles pegavam água. A questão é: não havia peixes? Se havia animais terrestres, mesmo que modificados geneticamente, imagino que também havia peixes.

A personagem Glass, que conseguiu fugir e, claro,  não foi enviada à terra juntos com os demais, é a menos interessante, na minha opinião. O único foco da vida de Glass é o Luke, seu namorado waldenita.

A autora poderia ter explorado mais a personagem Glass, já que ela é o vinculo que o leitor tem com a estação. Por exemplo, Glass poderia ter iniciado uma rebelião, junto com Luke, contra os governantes da Colônia, uma vez que as leis e a execução destas não eram as mais justas.

Para finalizar, só quero dizer  que a decisão de ler o livro ou de assistir a série é sua  você. Só não esqueça: não deixe de ter uma experiência só porque uma pessoa não gostou desse ou daquele livro e/ou série.

(Resenha postado anteriormente em Os nós da rede)

13 comentários
0

Veja também

13 comentários

Karini Couto janeiro 10, 2019 - 12:06 am

Tudo bem? Li The 100 e Dia 21 parece que já fazem um século. Apesar de como você mencionar, ser um livro comercial, eu curti bastante. Deu para me distrair bem.
Acompanho a ssérie. Sempre digo que vou largar, mas não consigo deixar para trás e acabo me rendendo só para passar raiva de como terminam cada temporada.
Mas curto o desenrolar.
Beijos.

Reply
Morgana Brunner janeiro 10, 2019 - 12:31 pm

Oii, Nilda como vai?
Confesso pra ti que não sabia da existência do livro, apenas conhecia a série porque vi para baixar, ler não sei se leria por eu mesmo não achar tão interessante, mas está entre os que quero assistir de séries.
Ótima resenha.
Beijinhos

Reply
Mercia janeiro 10, 2019 - 3:22 pm

Oi, Nilda!
Não li o livro e nem vi a série, mas vejo comentários positivos e negativos sobre eles. Confesso que não é uma leitura que faria no momento.
Essa questão que você citou nos pontos fracos acho muito válida, a trama poderia se tornar bem mais interessante se eles tivessem a iniciativa de desbravar novos lugares, pelo que percebi não fizeram isso
Parabéns pela resenha.
Beijo

Reply
No Conforto dos Livros janeiro 10, 2019 - 4:36 pm

OLá!! 🙂

Eu ja li esse livro há alguns anos… AInda bem que gostaste de fazer a leitura, mesmo que com algumas resevras e observaçoes que sao sempre construtivas!

Enfim, eu gostei bastante de fazer a leitura, mas tambem nao achei que fosse a melhor leitura de sempre!

Boas leituras!! 😉
no-conforto-dos-livros.webnode.com

Reply
Bruna Costabeber janeiro 10, 2019 - 7:48 pm

Oi Nilda,
Eu tenho vontade de ler esse livro por conta da proposta dele, mas já li inúmeras resenhas negativas, principalmente, ressaltando esses pontos negativos que você ressaltou. O que mais me decepciona é a autora não ter trabalhado com profundidade a questão da sobrevivência.
Adorei sua resenha!
Beijos,
@umoceanodehistorias_

Reply
bianca ribeiro janeiro 11, 2019 - 2:47 pm

Que resenha sensacional! Eu já vi a série mas nunca li o livro, fiquei curiosa pra ler…
Mas quase sempre que eu leio algo comercial, acabo por me decepcionar com tudo e fico triste, então fico na duvida entre ler ou não, mas acho que vale a pena tentar…

Reply
Alice Lacerda Montiel janeiro 11, 2019 - 7:00 pm

Oii Nilda

Eu assisti alguns capitulos da série, mas apesar de ser legalzinha, não conseguiu captar minha atenção. eu até leria o livro se fossem 1 ou 2 mas se trata de uma série, e ultimamente ando desanimada pra iniciar mais séries. Adorei os pontos ressaltados na resenha, deu pra ter um panorama bom sobre o que esperar ou encontrar caso eu decide ler essa primeira parte.

Beijos

http://www.derepentenoultimolivro.com

Reply
jaque reis janeiro 11, 2019 - 8:05 pm

Olá!
Confesso que não sei se leria o livro mesmo com os pontos positivos que você ressaltou, porque eu já acompanho a série desde que foi lançada e infelizmente não tenho muito animo para ler os livros! Mesmo assim, adoro demais a série e toda reflexão que ela traz, além do mais é uma série bem legal!

Reply
Beatriz Andrade janeiro 11, 2019 - 9:27 pm

Oi, Nilda. Tudo bem?
Olha sou apaixonada pela série, estou louca pela 5 temporada, já estreou nos EUA e a Netflix ainda não trouxe para cá 🙁
Eu ainda não li os livros, mas estou curiosa demais com eles também. Gostei de ver a sua opinião sobre o livro e espero que os próximos volumes sejam melhores, a série melhora a cada temporada, tomara que com os livros seja assim também.

Reply
Ana Caroline Santos janeiro 13, 2019 - 11:27 pm

Olá, tudo bem? Nossa, agora você me fez lembrar que um dia quis ler esse livro, mas como sempre, acabei deixando para trás e esquecendo hehe E queria ler justamente para ver a série, e porque sou fã de distopias. Espero mudar isso em breve, e não esquecer hehe, pois como você disse, cada um pode ter uma experiência diferente na leitura ou quando vê algo. Ótima sincera resenha!
Beijos,
diariasleituras.blogspot.com.br

Reply
Debyh janeiro 14, 2019 - 7:01 pm

Olá,
Tentei ver a série, mas realmente não gostei. Porém conheço fãs da série, o que é bom, não da pra agradar a todos. Sobre o livro eu já ouvi falar, gostei deste lance de ter o questionamento sobre a humanidade.

Reply
Saga Literária janeiro 14, 2019 - 9:13 pm

Olá, tudo bem Nilda?

Eu achei extremamente interessante a abordagem que você adotou na sua resenha separando por tópicos, pois me deu uma boa noção sobre o que esperar ou não sobre o livro e confesso que tenho vontade de ler essa série da Kass Morgan, bem como assistir a série. As fotos ficaram lindas!
Abraço!

Reply
Erika Monteiro janeiro 15, 2019 - 3:41 am

Oi, tudo bem? Jura que tem um livro sobre essa história? Sempre vejo a divulgação dessa série mas nunca imaginei o livro. Assisti um pedaço de um episódio mas não me prendeu. Talvez seja poque não comecei do início. Isso dá mais emoção acompanhar os personagens desde o começo. Gostei da sua resenha. Beijos, Érika =)

Reply

Deixe um comentário