Resenha || Homem-aranha: a última caçada de Kraven

Cultura Nerd Resenhas

Resenha || Homem-aranha: a última caçada de Kraven

Eu demorei para entrar no ritmo de leitura de Homem-Aranha: A última caçada de Kraven. Ainda não sei se foi por causa do estilo de linguagem do Neil Kleid ou se foi por causa monólogos interiores repetitivos de Kraven, o vilão. Ou se as repetições tem a ver com o estilo do Kleid. Quem acompanha o blog já sabe que sou apaixonada por romances adaptados de quadrinhos (Você pode ler as resenhas de Viúva Negra: vermelho eterno e Demolidor: o homem sem medo)  Então, eu estava empolgada com essa leitura. Mas talvez tenha sido esta empolgação que atrapalhou minha experiência.

Para contextualizar: Homem-Aranha: A Última Caçada de Kraven é um romance adaptado dos quadrinhos de J. M. DeMatteis e Mark Zeck. A Hq fora lançada, originalmente, no ano de 1987, dividia em seis partes e publicada nas respectivas HQs: Web of Spider-ManThe Amazing Spider-Man e The Spectacular Spider-Man.

Em Homem-Aranha: A Última Caçada de Kraven, Peter Parker está tendo um dia ruim. Ele acaba de ir a dois funerais, em que o peso da morte dessas duas pessoas recai sobre seus ombros. Não só dessas duas mortes, como de todas as pessoas que de alguma forma tiveram relação com Parker e que acabaram mortas. Ele se culpa pela morte do Tio Ben, pela morte da ..

Para piorar a situação um antigo inimigo de Parker, O Caçador, coloca em pratica um plano infalível para usurpar e denegrir a imagem do Homem-Aranha. Kraven é filho de um aristocrata russo. A família de Kraven tive que sair da Rússia depois da queda do Czar. Em sua loucura, Kraven culpa o homem-Aranha pelas desgraças de sua família.

Mas… nada é tão ruim que não possa piorar. Temos ainda um segundo vilão, Rattus, um canibal, violento, atormentado, com dupla personalidade.

Homem-Aranha: A Última Caçada de Kraven traz um lado mais sombrio do Amigo da vizinhança

A leitura não foi tão fluída como eu imaginei que seria, pelo menos não nas primeiras páginas. O inicio eu achei truncado e um pouco repetitivo o monólogos interiores do Kraven, como já falei. Eu até entendo que o objetivo é dá enfase no quanto o Caçador-Kraven é perturbado. No quanto ele é obcecado pelo o Homem-Aranha. Mas, ao usar o recurso da repetição corre-se sempre o risco de entediar o leitor. Chega um momento que o leitor diz: tá, eu já entendi.

O Caçador como vilão não me conquistou. Já Rattus foi amor-ódio a primeira vista. Rattus é um vilão que causa dó e repulsa. Como não ter piedade por alguém que foi transformado em um ser terrivelmente horrendo e cruel?

Já em relação a composição de Peter Parker: eu gostei muito de vê-lo mais maduro, ao mesmo tempo cheio de raiva. Atormentado por questões que o coloca no mesmo nível que qualquer ser humano.

E o que falar de Mary Jane Watson? A mocinha que está lá para chorar pelo super-herói. Eu até reconheço um esforço para dar complexidade a personalidade da Mary Jane, com questões familiares, com o fato dela ter tido relacionamentos superficiais antes de Parker. Mas para mim, o que fica marcado é que ela poderia ter agido, poderia ter feito algo para encontrar o Homem-Aranha. Ela poderia ter buscado ajuda com o Capitão América. Mas o que Mary Jane fez? Ela ficou lá no quarto arrumando e desarrumando as malas.

Palava final:

Homem-Aranha: A Última Caçada de Kraven não é um livro ruim, mas podeira ser melhor

Se você é fã do Homem-Aranha esse livro é para você. Tem pontos baixos? Tem. Mas tem muita coisa legal também. Sobre a Edição: ela segue o mesmo padrão dos outros livros da série Marvel publicado pela Novo Século. Eu gostei bastante. Como vocês podem ver pelas fotos, é um livro cheio de detalhes em teias de aranha. As  mudanças de capítulos são marcados em folhas vermelhas. Ainda traz ilustrações da Hq original.

Obs: Comprando por esse link, você ajuda a manter o Garagem blue cult no ar: Amazon

Autor: Neil Kleid

Capa comum: 320 páginas

Editora: Editora Novo Século
Edição: 1 (20 de março de 2017)

ISBN-13: 978-8542810400

About the author
Literamaníaca, seriemaníaca. Mãe de dois Dragões. Em metamorfose. Rezo para os deuses novos e antigos. Minhas jornadas são nas estrelas. A força está comigo. Não sei se tudo isso é verdade, só sei que foi assim.

10 Comments

  1. Olá, tudo bem? Primeiro de tudo parabéns pela resenha, você sabe expressar muito bem sua opinião e tem uma escrita bem envolvente. Enfim sobre o livro, não conhecia essa adaptação e igual a você também gosto desse estilo de leitura. Embora a nota não tenha sido muito alta, acho que vou dar uma chance para essa leitura.

  2. Nossa, nem sabia que tinha livro do Kraven. Eu conhei ele no Ultimate Spiderman e para ser sincera, não está entre os vilões que mais gosto. Spider eu li pouco também , minha irmã que ama. Kkk mas achei interessante. Mas na boa, odeio a Mary Jane xD

  3. Eu ainda não acostumei com esse formato de romances feitos a partir das HQs, é tão estranho não ver as imagens… Pelo que tenho percebido, nem todos os escritores conseguem manter essa essência fluida que a HQ tem por passar uma historia com texto e imagem. Sobre o que você falou sobre a Mary Jane, ela é uma personagem mega subaproveitada em quase todas as historias… Uma pena, porque acaba tornando ela bem superficial né?

    1. Sim, tem isso dos escritores não conseguirem manter a mesma fluência das HQs. Sobre a MJ eu implico porque gostaria que ela tivesse um papel importante. Tenho pensado muito nessa questão da representação feminina das histórias de super heróis.

  4. Apesar do que você falou, cheguei a me interessar bastante. Principalmente porque parece ser bem dark, estou certo? Confesso que a ideia de adaptar pra romances me dá um pouco de receio, então preciso tentar ler um desses pra ver se me agrada. Não li nada do Homem Aranha, outro motivo pra tentar! ahahaha

    1. Sim, sim é uma história mais sombria. Seguindo um pega do Watchmen e Batman: O Cavaleiro das Trevas. O proposito é trazer uma história mais séria. Mais madura.

  5. Oie, tudo bem? Spider man é um dos poucos super heróis que gosto e sei a história além do Super man. Apesar de ser acostumada a assistir TV desde criança e ler gibis nunca comprei ou segui histórias por meio de HQs. Fazia coleção apenas da Turma da Mônica rs Gostei dessa edição as ilustrações ficaram lindas. A Editora realmente caprichou. Fiquei curiosa pra ler. Beijos, Érika =^.^=

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *