Resenha || O Visconde que Me Amava | Julia Quinn | Editora Arqueiro

por Gaby Marques

“Um homem charmoso é muito agradável e um homem de boa aparência é, sem dúvida, uma visão que vale a pena, mas um homem honrado, ah, querida leitora, é para ele que as jovens deveriam correr.” – Crônicas da Sociedade de Lady Whistledown

O visconde Anthony Bridgerton é um libertino, ou era. Depois de anos fugindo de compromisso, ele resolve que está na hora de construir uma família, casar e ter um herdeiro. Porém, ele não quer um casamento por amor, e por isso precisa encontrar uma esposa  por quem não se apaixone. A candidata ideal logo aparece; Edwina Sheffield é a debutante mais linda da estação, e apesar de não ter um dote, muitos cavalheiros querem sua atenção nos bailes.

Linda, educada e inteligente, Edwina seria a esposa perfeita para o visconde, mas cortejá-la será mais difícil do que ele imagina.

Acontece que a irmã dela, Kate, tem verdadeira aversão por libertinos; e não quer que a irmã se case com um, por mais nobre que ele seja. Também não acredita em ex-libertinos. Sua irmã merece o melhor, e é o melhor que terá.

A própria Kate também está debutando naquela estação, apesar de já ter 21 anos. Diferente da irmã, ela não tem uma beleza que atrai os homens, e seus modos não são tão delicados; além de sua língua afiada.

Anthony e Kate são como gato e rato, e em nada parecem concordar. Porém, sempre que ele chega perto, Kate sente coisas inexplicáveis, que nunca sentiu antes. E o visconde, mesmo cortejando a irmã, não consegue tirar a irritante Kate de seus pensamentos.

Ambos sentem algo um pelo outro, e o visconde teme que possa se tornar algo maior que simples desejo. Afinal, ele não poderia se apaixonar! Lutou contra isso sua vida inteira, e logo Kate… a mulher teimosa e inteligente que ameaça comprometer sua sanidade.

Acontece que ele tem seus motivos para agir assim; depois do trauma que foi perder seu pai tão jovem de forma tão abrupta e incomum, ele não acha que terá tempo o suficiente… o suficiente para amar e viver o sentimento; enquanto Kate tem seus motivos para não gostar de tempestades, e ficar em choque sempre que um relâmpago ou raio corta o céu.

Poderia ele deixar seus medos e receios de lado para viver esse amor? Ou melhor: estaria ela preparada para viver sem ele?

“Havia certos benefícios em ser considerado o libertino mais censurável da Inglaterra. Quase todos o temiam, por exemplo. Mas chegara a hora de se casar. Ele devia sossegar e ter um filho. Tinha um título a legar, afinal.”

Julia Quinn mais uma vez presenteia seus leitores com um romance bonito e cheio de humor, além de personagens cativantes e finais incríveis.Depois de ler O Duque e Eu e me apaixonar por sua escrita, me convenci de que leria todos os volumes da serie Os Bridgertons, e é sobre o segundo que venho falar hoje. O Visconde que Me Amava foi uma leitura instigante, e me prendeu muito. Achei o enredo fofo e o casal teve bastante química. Porém nem tudo são flores, e me decepcionei um pouco…

Sabe aquela sensação de que falta alguma coisa para te ganhar completamente, num livro? Pois foi essa a sensação que tive lendo esse. É um romance ótimo, e possui clichês na medida certa, mas faltou um quê a mais.

“Porque aquela centelha – tão evidentemente ausente em relação à irma dela, com quem ele pretendia se casar – com Kate crepitava e ardia com tanta força que parecia ter o poder de iluminar o cômodo e deixá-lo claro como o dia.”

 

As passagens bem-humoradas características da autora estão mais presentes que nunca, e me fizeram ficar com cara de boba no ônibus, tentando disfarçar as risadas. Kate é uma peça!

Além do humor, há sim um teor mais sensual, afinal estamos falando de um romance de época. As cenas mais quentes foram muito bem construídas, e não senti vergonha alheia! hahaha E, para minha surpresa, foram poucas. Acho que apenas duas foram detalhadas, para ser exata.
Terminei a leitura com uma vontade louca de engatar no terceiro, mas irei me segurar um pouco, afinal eu não quero ficar órfã dos Bridgertons nem tão cedo <3
Indico bastante a leitura para quem gosta do gênero, ou para quem quer começar a ler! São leituras rápidas e apaixonantes que vão te arrancar um suspiro ou dois, ou vários!

 

O Visconde Que Me Amava

O Visconde que Me Amava

Julia Quinn

Título original: The Viscount Who Loved Me
Gênero: Romance de época
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 288
Edição: 2013
Avaliação: ★★★★

Sinopse: A temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas. Ao que tudo indica, o solteiro mais cobiçado do ano será Anthony Bridgerton, um visconde charmoso, elegante e muito rico que, contrariando as probabilidades, resolve dar um basta na rotina de libertino e arranjar uma noiva. Logo ele decide que Edwina Sheffield, a debutante mais linda da estação, é a candidata ideal. Mas, para levá-la ao altar, primeiro terá que convencer Kate, a irmã mais velha da jovem, de que merece se casar com ela. Não será uma tarefa fácil, porque Kate não acredita que ex-libertinos possam se transformar em bons maridos e não deixará Edwina cair nas garras dele. Enquanto faz de tudo para afastá-lo da irmã, Kate descobre que o visconde devasso é também um homem honesto e gentil. Ao mesmo tempo, Anthony começa a sonhar com ela, apesar de achá-la a criatura mais intrometida e irritante que já pisou nos salões de Londres. Aos poucos, os dois percebem que essa centelha de desejo pode ser mais do que uma simples atração.

Veja também

Deixe um comentário